pensou como fazer sua logística reversa deixar de ser um problema e tornar-se um diferencial para o seu negócio?

por Josue
Acessos: 531

Muitas empresas não consideram a “conta” logística reversa como um ofensor na receita final, entretanto, consideram estes custos como um bugdet negativo “já programado”. Eu particularmente acho totalmente equivocado. Porém, nem tudo é somente custo, mas também nível de serviço ao consumidor final, que deve ser o foco para todas as empresas, visto que sem clientes, não há negócio.

A logística reversa adequada é aquela que minimiza totalmente o impacto ao cliente, havendo uma solicitação de troca ou devolução, por avaria ou insatisfação, deve-se atentar para que processo seja simples e rápido. Atuando desta forma na logística reversa, sua chance de manter este cliente, que, por algum motivo resolveu devolver o produto, aumenta, pois o mesmo pode voltar a transacionar com sua empresa em uma compra futura, visto que a imagem da empresa, devido à agilidade e qualidade nesta tratativa, pode às vezes mudar sua percepção.

Atualmente, existem muitas empresas especializadas que proporcionam uma gestão eficaz neste processo devolutivo, deixando que você foque no que é core para o seu negócio e direcione este trabalho ao terceiro. A diferença entre se preocupar e não se preocupar com a reversa, é extremamente simples, ou você reduz custo, trabalhando de forma organizada/sustentável, gerando um nível de serviço de qualidade, mesmo que seja para um caso de retorno ou você apenas assume que não aperfeiçoará o processo, e isso realmente será um custo absorvido pela organização.

Para reduzir os casos com reversas, algumas empresas criam processos chamados “prevenção de perdas” ou “prevenção de reversas”. Estas células auxiliam na redução dos índices de devolução, focando em ações preventivas antes da expedição dos produtos, após os processos de picking e packing. Em alguns casos, é possível reduzir números expressivos, que ajudam na conta frete e consequentemente na rentabilidade do negócio.

Como gerenciar de forma efetiva sua logística reversa?

  • Ter uma equipe dedicada a este processo é fundamental, sempre monitorando para que as análises e conferências sejam diariamente realizadas.
  • Automatizar o processo é bastante importante, mas é claro, caso haja possibilidade de investimento, pode-se utilizar um parceiro especializado ou criar seu próprio banco de informações para o gerenciamento.
  • Criar um comitê para discussões sobre os resultados, com periodicidade quinzenal ou mensal. Alguém precisa responder por este subprocesso dentro do CD, ser o verdadeiro “dono”.
  • Negociar com o transportador referente fretes de retorno, pois o custo necessita ser mais acessível que os praticados para as cargas de outbound.
  • Promover uma interação clara e estreita entre SAC e operação, evitando o desperdício de tempo e agilizando as informações.

Na teoria, é relativamente fácil comentar sobre operações de logística reversa, mas o que chama a atenção, é que na cadeia de abastecimento de algumas organizações, a logística reversa é tratada apenas como um retrabalho, e não como uma forma de melhorar o próprio processo e/ou processos anteriores. A mesma pode ser utilizada como termômetro de eficiência. 

Caso haja um alto índice de devoluções, o melhor a fazer é realizar as devidas estratificações (reais motivos), pois poderá atuar nas causas raízes e não somente nos efeitos. Enfim, vale a pena pensar em uma logística reversa como incremento de valor ao negócio, e rever o seu processo atual para que seu cliente se sinta surpreendido de maneira positiva no momento da troca ou devolução.

Deixe seu comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado